Súplicas.

Boa tarde!
Ando sumida do blog, peço apenas compreensão de vocês, meus leitores!
Estou na reta final da tese e qualquer tempinho que tenho é pra ela...

Na verdade, ainda tenho que conciliar a tese com todos os outros compromissos e com a família. Mas, sempre procurando fazer um post interessante pra vocês. Além do mais, ainda tem o nosso desafio do livro  O Cozinheiro Imperial. Então, imaginem a loucura que anda minha cozinha e meu mundo!

Mas, como diz o poeta, aos poucos tudo de resolve...

Fiz, outra receita do desafio, essa é uma das melhores que já comi na vida inteira: as súplicas!
Doce de origem portuguesa, conta ampla aparição em vários dos livros de receitas do século XIX, inclusive, no primeiro livro de receitas brasileiro. 

Segundo o português Virgílio Gomes, em seu blog, "As súplicas incluem-se no grupo de doçaria popular que tenho vindo a defender e divulgar. Este é dos doces que ainda é muito fácil de encontrar, em especial no nordeste transmontano. Já quase não se veem é as vendeiras que apareciam nas feiras, e romarias, com belos cestos cobertos por panos de linho, uns com bordados, outros com rendas". In: blog. E mais, segundo o autor era um doce popular de festas e romarias que acabou por torna-se com o passar do tempo num doce do cotidiano. 

As súplicas nasceram das dores e sofrimento em torno do amor...ah o amor tão cantado em prosa e verso, também teve espaço na alimentação.

Com o processo das grandes navegações as súplicas atravessaram o Atlântico, chegando em terras brasileiras e sendo receita cativa entre a elite. Tanto que ela aparece no O Cozinheiro Imperial, onde ganha receita deliciosa e bem fácil. 

Vamos às súplicas oitocentistas...
As súplicas que você come suplicando...
Súplicas: 


 
A receita e modo de fazer...

A massa...
Indo para o forno...


                                                 

E você ficou com vontade? Água na boca? Então, faça e depois me conte o que achou...                   

Comentários

Postagens mais visitadas